RESULTADO DE BUSCA
CAROLINA MARIA DE JESUS E SUA CONSCIÊNCIA AUTORAL: LITERATURA COMO MEIO DE ENSINO DA CULTURA AFRO BRASILEIRA E DA EXTINçãO DAS DESIGUALDADES NA ESCOLA.
Autor Principal: BRAVIN, Ofélia        Co-autores: MOMESSO, Maria Regina
Resumo: A história de Carolina Maria de Jesus ainda não é bastante conhecida do público brasileiro, entretanto sua obra Quarto de despejo: diário de uma favelada é fundamental como precursora e incentivadora das vozes periféricas. Carolina era moradora de uma favela na zona norte de São Paulo e foi descoberta pelo jornalista Audálio Dantas, que publicou seus cadernos repletos de anotações que formavam um diário. Mulher, negra, catadora de lixo, perfil destoante dos escritores do cânone literário, nada disso a impediu de ser escritora. Mesmo com pouco estudo, descrevia como ninguém o cotidiano da comunidade em cadernos que encontrava no lixo. A autora tinha clara consciência de que era uma escritora e de que tinha algo a dizer do locus onde se encontrava. Assim, para este trabalho utilizou-se a pesquisa bibliográfica. O embasamento teórico para análise de fragmentos discursivos da obra decorreu de estudiosos da Análise do Discurso de linha francesa, da linguística, da literatura brasileira. Os resultados obtidos nos mostraram que Carolina marcou seu lugar na história, pois tinha a plena consciência de si e do poder de seu discurso. A escritora tinha certeza que era uma poetisa e podia transformar sua realidade por meio da sua escrita literária, por isso a importância desta obra na educação escolar como meio de ensino da cultura afro brasileira, sendo inserida na lista dos livros para vestibular de 2018.,
Palavras-chave: literatura marginal. quarto de despejo. educação escolar.
Modalidade: Pesquisa em Andamento Eixo: Eixo 3 - Políticas e Práticas no Ensino Médio

Estatísticas:
9
acessos
5
downloads
0
citações

Ações:
Download

BibTex

Compartilhar



FALE CONOSCO